Temas de redação que já caíram no ENEM

Hoje quero conversar com você sobre um dos maiores pesadelos de quem está no Ensino Médio: redação do Enem. Pesadelo porque, assim como nos vestibulares, o aluno só tem conhecimento do tema na hora da prova, o que faz com que deva estar preparado para tudo. 

É fato que a leitura deve ser a base dos estudos de qualquer pessoa, já afirmei isso muitas vezes por aqui. Estar preparado tem a ver com a quantidade de informação recebida e, mais que isso, processada, digerida de fato. Todo os anos, a redação é uma verdadeira surpresa, o que não foi diferente em 2019. Mas sabe qual é o segredo? Saber o que dizer mesmo sobre um tema que não tenha estudado diretamente. 

No último ano, por exemplo, alunos de todo o país tiveram de discursar sobre a democratização do acesso ao cinema no Brasil, assunto, a meu ver, bastante interessante, embora completamente inesperado. Muitos deram destaque à questão da acessibilidade física em si, outros ampliaram a discussão para um viés mais social, dando ênfase a questões financeiras, ideológicas e assim por diante. 

A verdade é que, se você é uma pessoa que procura se informar sobre a realidade da qual faz parte, sempre saberá o que escrever, como expressar seu ponto de vista, não importa a surpresa (ou não) gerada pelo assunto a ser abordado. 

Aplicado pela primeira vez em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio já abordou temas diversos, como Lei Seca, publicidade infantil, preservação ambiental, direito ao voto, violência, todos propiciando uma discussão enriquecedora sobre tantos problemas que o país vem enfrentando há muitos anos. 

Vou comentar brevemente sobre os temas aplicados nos últimos cinco anos de prova. Mas não se preocupe! Ao final desse post vou deixar uma lista completa de todas as propostas cobradas até hoje!

2014 – Publicidade infantil em questão no Brasil

Tema interessante e totalmente inesperado, o título causou bastante discussão na época. Nesse ano, uma resolução tratando do abuso da publicidade infantil criou polêmica entre Ongs e defensores da divulgação que protagonizaram muitos embates a respeito. 

Quanto à redação, era necessário que o candidato abordasse o seu ponto de vista através de um texto dissertativo, percebendo a necessidade de uma reflexão e uma postura crítica sobre este tipo e publicidade, sem deixar de atentar para o fato de o problema ser uma questão nacional. 

Propor uma intervenção no sentido de orientar a população, inclusive a infantil, sobre a possível nocividade da veiculação de certas ideias na publicidade era fundamental, além de uma forma de mostrar conhecimento sobre o assunto. Na época, apesar da surpresa, não foi considerado um tema de grande dificuldade. 

2015 – A persistência da violência contra a mulher no Brasil

Mais uma vez, o adjunto adverbial “no Brasil” deixa clara a necessidade de uma abordagem do problema em seu âmbito nacional. A proposta foi elogiada e considerada pertinente ao tratar de uma questão complexa e bastante atual. 

Importantíssimo, neste caso, trabalhar com as causas do problema, as políticas públicas de assistência à mulher, a raiz do machismo na sociedade e tantos outros aspectos. Conhecimento sobre o assunto poderia ser adquirido por meio de muita leitura de notícias, artigos de opinião, pesquisa de uma visão mais técnica, como a fala de psicólogos, e assim por diante. 

Muitos caíram na falsa ideia de tema fácil, por estar sendo sempre debatido publicamente. Contudo, era preciso mais que achar certo ou errado, era preciso saber usar os argumentos mostrando conhecimento e propor intervenções de modo coerente. 

2016 – “Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil” e “Caminhos para combater o racismo no Brasil”

Como neste ano o Enem teve duas aplicações, também foram usados dois temas de redação. Foi a prova com o menor número de notas máximas alcançadas. 

Também era necessário, em ambos os casos, discorrer apresentando boa contextualização na introdução e usar argumentos plausíveis, pautados em dados, falas de autoridades, fatos históricos e tantas outras informações pertinentes. 

Foram dois dos temas mais importantes que a prova já abordou, pois continuam atuais mesmo hoje, em tempos nos quais nos deparamos com a intolerância espalhada pelo país nos mais diversos setores e esferas da sociedade. 

Volto a repetir: a ampla discussão acerca de um tema não o torna necessariamente mais fácil. O desafio pode até ser maior, pois é necessário expressar o ponto de vista sobre algo já tão discutido sem cair na repetição ou no famoso “mais do mesmo”. 

2017 – “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil” e “Consequências da busca por padrões de beleza idealizados”

Novamente, duas aplicações e dois temas. A meu ver, duas questões ótimas para serem debatidas, pensadas e repensadas, discutidas amplamente em todo país. 

Nestes casos, o candidato poderia se pautar em questões de acessibilidade, de igualdade de direitos, de tornar a educação próxima de todos como forma de permitir que qualquer indivíduo pudesse ter a chance de se tornar partícipe efetivo na sociedade. Mais uma vez, o segredo deveria estar no conhecimento acerca de políticas públicas, nos argumentos de exemplificação, na citação de autoridades no assunto. 

Quanto ao segundo tema, atualíssimo, pertinente, interessante, ótimo para ser colocado em pauta sempre, já que vivemos constantemente construindo o plano do ideal e deixando o real de lado. Aqui poderia ser abordada a questão da mídia, das redes sociais etc. 

Considero o primeiro tema bastante desafiador e o segundo, de certa forma, tranquilo, se abordado de forma coerente e sem esquecer da teoria. 

2018 – Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet

Tema que gerou enorme discussão nesse ano, pôde ser abordado de várias maneiras. De novo entraram em campo as redes sociais, a manipulação da mídia, os escândalos dentro de potências da internet, como Google e Facebook. 

Houve muito o que ser discutido, mas sempre deixando as visões mais calorosas sobre o assunto de lado. Inclusive, uma das formas de se dar bem neste tipo de redação é entender que você não está numa roda de conversa com amigos, ou seja, não se trata de dar a opinião pela opinião, mas de saber como fazer isso, mostrar conhecimento sobre o assunto, explorar dados estatísticos, depoimentos de usuários e assim por diante. 

Um tema rico para uma boa produção de texto, mas também bastante complexo e propício para a famosa armadilha do escrever, escrever e não dizer nada. Garanto que muitas redações repetitivas e de argumentos rasos foram produzidas nesta prova. 

2019 – Democratização do acesso ao cinema no Brasil

O tema mais recente do Enem gerou muito debate na época em que a prova foi aplicada. Enquanto alguns alunos acharam completamente inesperado e desnecessário, outros elogiaram o formato e afirmaram ser um tema interessante. 

Certamente, há muito que ser dito a respeito deste assunto, o candidato poderia falar sobre políticas públicas, acessibilidade na questão física, a polêmica em torno da meia-entrada, a falta de acesso à cultura no país, a importância do cinema para ampliação do conhecimento de mundo etc.

De um modo geral, os textos de apoio foram adequadamente escolhidos, proporcionando uma contextualização completa acerca do assunto, além de ideias interessantes para que o aluno pudesse criar uma proposta de intervenção sólida e realista, algo que é fundamental no Enem. 

A reflexão que desejo fazer no âmbito mais técnico da questão é a de que a redação precisa mostrar que seu autor ou autora domina o conteúdo que está abordando, precisa mostrar criatividade, conhecimento teórico, boa sequência lógica com introdução, desenvolvimento e conclusão. 

Não estamos tratando apenas do viés ideológico, mas também do conhecimento adequadamente formalizado por meio da escrita. É muito importante mostrar que você sabe O QUE e COMO dizer algo. O pensamento crítico ganha destaque, mas ele só é eficaz quando a organização das ideias permite a interpretação por parte do interlocutor. Isso vale para a fala e, também, para a escrita. 

Vou deixar aqui a lista dos temas cobrados até o ano de 2013. Será que existe alguma chance deles serem novamente abordados? É sempre bom conhecê-los!

1998 – Viver e Aprender (com base na música “O que é o que é”, de Gonzaguinha)

1999 – Cidadania e participação social

2000 – Direitos da criança e do adolescente: como enfrentar esse desafio nacional

2001 – Desenvolvimento e preservação ambiental: como conciliar interesses em conflito? 

2002 – O direito de votar: como fazer dessa conquista um meio para promover as transformações sociais que o Brasil necessita?

2003 – A violência na sociedade brasileira: como mudar as regras desse jogo?

2004 – Como garantir a liberdade de informação e evitar abusos nos meios de comunicação

2005 – O trabalho infantil na realidade brasileira

2006 – O poder de transformação da leitura

2007 – O desafio de se conviver com as diferenças

2008 – Como preservar a floresta Amazônica

2009 – “O indivíduo frente à ética nacional” e “Valorização do idoso” (por conta de vazamento da prova, a primeira versão foi cancelada, e os alunos fizeram nova redação.)

2010 – “O trabalho na construção da dignidade humana” e “Ajuda humanitária” (foram dois temas por conta de erros na impressão da primeira prova.)

2011 – Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado

2012 – O movimento imigratório para o Brasil no século XXI

2013 – Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil

E aí, algum palpite para o tema deste ano?

A lista com os temas (até 2016) pode ser conferida AQUI. 


Espero que de alguma forma esse conteúdo tenha te ajudado. Mas o que acha de assinar a minha Plataforma de Estudos 2.0 e melhorar ainda mais seus estudos no colégio, no cursinho ou tirar aquela nota máxima no ENEM?

E como eu realmente quero te ajudar, eu liberei algumas aulas gratuitas da minha plataforma pra você.

Bora dominar o português e conquistar seus objetivos? Clique aqui e aproveite gratuitamente! 

SAIBA MAIS

> Nunca mais erre isto! Qual o jeito certo de usar a expressão “o mesmo”?

> Nunca mais erre isto! Como utilizar as expressões “através de” ou “por meio de”?

Guia Definitivo da Crase: baixe aqui gratuitamente!

Compartilhar:

2 comentários

  1. Obrigado professor !
    irei assinar a sua plataforma sim… eu adoro as suas aulas.
    muito fácil de aprender

Deixe uma resposta