Você sabe identificar conjunções?

Se você estuda ou já estudou gramática, certamente se deparou diversas vezes com o termo conjunção. Ele está entre os principais conteúdos de análise sintática e exerce papel fundamental na organização das orações, especialmente no que diz respeito a relações de sentido.

Para seguirmos adiante, precisamos lembrar: o que é uma conjunção? A resposta: é uma palavra que possui a função de ligar termos de uma oração ou mesmo as orações em si. Obviamente, são muitas as conjunções. Elas podem estabelecer relações de sentido de acordo com o contexto e a maneira como se comportam em cada ocasião. 

A pergunta mais importante do post de hoje, contudo, é: você sabe identificar uma conjunção? Ainda que ela faça parte de nossos estudos, muitas vezes, existe uma dificuldade no momento de usá-la ou mesmo perceber sua função dentro de uma oração. Vejamos dois períodos para exemplificar. 

Exemplo 1: Corri na pista e (corri) no parque. 

Exemplo 2: Corri na pista e caminhei no parque. 

Que conjunção está sendo utilizada nos dois exemplos? Se você respondeu E, acertou! Observe que, no primeiro caso, ela funciona como elemento de ligação entre os termos da oração “pista” e “parque”, pois o verbo correr, na segunda oração, está subentendido, ou seja, foi excluído para evitar repetição, mas sua ideia permanece. Já no segundo caso, ela está ligando as orações “corri na pista” e “caminhei no parque”, estabelecendo uma relação de adição de informações.  

Para identificar uma conjunção, você precisa observar que tipo de ligação é estabelecido, identificar os elementos que fazem parte dessa ligação, buscar por eles dentro dos períodos. Percebendo isso, fica fácil encontrar o termo que está sendo usado para relacionar e organizar as ideias ali unidas. 

Depois de encontrar a conjunção, é hora de entender como ela funciona e, principalmente, analisar a relação de sentido que ela estabelece entre as orações. Para tanto, é importante conhecer suas variadas classificações, mas também o contexto em que se encontram para compreender o que se deseja informar em cada caso. Digo isso porque uma mesma conjunção ou locução conjuntiva pode significar coisas diferentes a depender do contexto. Veja dois exemplos para entender melhor. 

Exemplo 1: Desde que se mudou não mandou mais notícias. (ideia de tempo)

Exemplo 2: Desde que volte para casa cedo, pode sair com seus amigos. (ideia de condição) 

Classificação das conjunções

As conjunções podem ser coordenativas ou subordinativas. As primeiras ligam orações que possuem uma relação de independência sintática entre si. Enquanto isso, as do segundo tipo ligam orações que precisam uma da outra sintaticamente ou mesmo para fazer sentido. Vamos verificar cada caso.

Conjunções coordenativas

  • Aditivas (ideia de adição): e, nem, bem como, não só… mas também, etc.

Exemplos: 

Não fez a tarefa nem estudou para a prova.

Não só finalizou o trabalho como também enviou o arquivo aos amigos. 

  • Adversativas (ideia de oposição): mas, porém, contudo, todavia, no entanto, entretanto, etc.

Exemplos:

Quero comprar um carro, mas não tenho dinheiro.

Era esforçado, porém não conseguia notas boas em Língua Portuguesa.

  • Alternativas (ideia de alternância): ou… ou, ora… ora, quer… quer, etc.

Exemplos:

Quer você goste, quer não (goste), viajará conosco. 

Ou ele chora ou ri compulsivamente. 

  • Conclusivas (ideia de conclusão): logo, pois, portanto, assim, por conseguinte, por isso, etc.

Exemplos:

Dedicou-se à leitura de artigos durante seis meses, por isso conseguiu a bolsa de estudos. 

Não estudou nada, logo foi mal na prova. 

  • Explicativas (ideia de explicação): pois, porque, porquanto, pois, etc.

Exemplos:

Faltou à aula de hoje, pois está gripado. 

Abram espaço, que eu quero passar. 

Conjunções subordinativas substantivas

  • Integrantes: que, se.

Exemplos:

Sabemos que ela será aprovada no concurso.

Ele não disse se virá à festa.

Conjunções subordinativas adverbiais

  • Causais (ideia de causa, motivo): porque, porquanto, uma vez que, como, visto que, já que, etc.

Exemplos:

Como choveu sem parar durante horas, nossa rua ficou alagada. 

Estava decepcionado, visto que as notas do filho ficaram abaixo da média.

  • Consecutivas (ideia de consequência): tanto que, tal que, que, de modo que, etc.

Exemplos:

Gritou tanto que acordou, no dia seguinte, sem voz.

Treinou dia e noite, de modo que obteve excelentes resultados.

  • Finais (ideia de finalidade): a fim de que, para que, que, etc.

Exemplos:

Revisou a lista de convidados a fim de que não esquecesse ninguém.

Comprou mais confeitos para que o bolo ficasse perfeito. 

  • Temporais (ideia de tempo): quando, enquanto, assim que, desde que, etc.

Exemplos:

Assim que eu chegar em casa, ligarei para você.

Ficou emocionada quando recebeu a homenagem.

  • Condicionais (ideia de condição): se, caso, desde que, salvo se, exceto se, etc.

Exemplos:

Pode sair com seus amigos desde que arrume seu quarto.

Se você fizer todas as tarefas, poderá tomar sorvete com seu amigo.

  • Concessivas (ideia de concessão): embora, mesmo que, conquanto, ainda que, etc.

Exemplos:

Ainda que longos anos passem, jamais me esquecerei de você.

Embora estivesse chovendo, caminhavam pela praia. 

  • Comparativas (ideia de comparação): como, assim como, tanto como, etc.

Exemplos

Ela canta assim como canta o sabiá.

Ele é alto como (é) o irmão.

  • Conformativas (ideia de conformidade): conforme, como, consoante, segundo, de acordo com, etc.

Exemplos: 

Fizeram o trabalho conforme a professora exigiu.

Encontraram-se na casa de João de acordo com o combinado. 

  • Proporcionais (ideia de proporção): à medida que, à proporção que, quanto mais… mais, etc.

Exemplos:

À medida que as explicações avançavam, os alunos se interessavam mais pelo assunto. 

Quanto mais estudava, mais interessado ficava. 

Muitos dos exemplos que citei são formados pelas chamadas locuções conjuntivas, um conjunto de duas ou mais palavras que se unem para exercer a função de uma conjunção, ou seja, para fazer o papel de ligar as orações. Algumas delas: visto que, à medida que, assim que, desde que, etc.

Agora ficou fácil identificar uma conjunção, não é mesmo?

Abraços e bons estudos!

Espero que de alguma forma esse conteúdo tenha te ajudado. Mas o que acha de assinar a minha Plataforma de Estudos 2.0 e melhorar ainda mais seus estudos no colégio, no cursinho ou tirar aquela nota máxima no ENEM?

E como eu realmente quero te ajudar, eu liberei algumas aulas gratuitas da minha plataforma pra você.

Bora dominar o português e conquistar seus objetivos? Clique aqui e aproveite gratuitamente! 

SAIBA MAIS

> Nunca mais erre isto! Qual o jeito certo de usar a expressão “o mesmo”?

> Nunca mais erre isto! Como utilizar as expressões “através de” ou “por meio de”?

Guia Definitivo da Crase: baixe aqui gratuitamente!

Compartilhar:

Deixe uma resposta